Investir em Portugal

o portal da ruralidade contemporânea

Inovação Aérea

Thursday, Mar 4 2010 09:28 Nos EUA, as companhias aéreas lowcost andam a misturar descontracção pelos seus passageiros!

Europa 2020: a Comissão propõe uma nova estratégia económica para a Europa

Wednesday, Mar 3 2010 05:27

A Comissão Europeia lançou hoje a Estratégia Europa 2020 para assegurar a saída da crise e preparar a economia da UE para a próxima década. A Comissão identifica três vectores fundamentais de crescimento que deverão orientar as acções concretas a nível da UE e a nível nacional: crescimento inteligente (promover o conhecimento, a inovação, a educação e a sociedade digital), crescimento sustentável (tornar a nosso aparelho produtivo mais eficiente em termos de recursos, ao mesmo tempo que se reforça a nossa competitividade) e crescimento inclusivo (aumento da taxa de participação no mercado de trabalho, aquisição de qualificações e luta contra a pobreza). Esta batalha em prol do crescimento e do emprego exige um empenhamento ao mais alto nível político e a mobilização de todos os intervenientes à escala europeia. São fixados cinco objectivos que definem o que pretendemos para a UE em 2020 e que nos permitirão acompanhar os progressos alcançados.

Os progressos para alcançar estes objectivos serão avaliados em função de cinco objectivos representativos a nível da UE, que os Estados-Membros deverão traduzir em objectivos nacionais, tendo em conta os seus diferentes pontos de partida:

  • 75 % da população de idade compreendida entre 20 e 64 anos deve estar empregada.

  • 3 % do PIB da UE deve ser investido em I&D.

  • os objectivos em matéria de clima/energia «20/20/20» devem ser cumpridos .

  • a taxa de abandono escolar deve ser inferior a 10 % e pelo menos 40 % da geração mais jovem deve dispor de um diploma do ensino superior.

  • 20 milhões de pessoas devem deixar de estar sujeitas ao risco de pobreza.

Acompanhar o resto da informação aqui

ADN dos inovadores

Friday, Feb 26 2010 12:31
Descobriram que a inovação não vem de traços de personalidade, como é usual referir-se para os executivos ou os capitães de negócios que são pintados como “personalidades fortes”.

A inovação vem de:

  1. uma atitude a contracorrente perante o mundo;

  2. uma certa habilidade cognitiva para combinar observações e ideias dispersas (que reconhecem oportunidades e gerem inovações); e de

  3. outros quatro processos de “descoberta” típicos de uma mente inovadora: observar (“como se fosse uma mosca”, diz Gregersen), perguntar (“mesmo gerando irritação, ou pelo menos desconforto nos agarrados à situação”), experimentar sempre e conviver em rede com gente muito diversa (evitando o que se designa por groupthinking, ou pensamento de seita).

São seis elos que formam o que os três professores baptizaram de “ADN dos inovadores”.

O investigador diz que o que é comum a todos é:
  1. a arte de combinar o impensável e o que, à primeira vista, parece nada ter de comum, uma espécie de “jogo do Lego mental” que ele atribui a uma forma de pensar específica que outros designam por “pensamento lateral”;

  2. “a irreverência de perguntar, perguntar, perguntar”, muitas vezes fazendo “o papel de advogado do diabo”; e

  3. nunca delegarem o trabalho criativo para outros, metem as mãos nele.
Continuação do artigo de Jorge Nascimento Rodigues publicado no site VER.PT

Jovens com ideias para a Guarda

Wednesday, Feb 24 2010 03:36
São jovens, da Guarda ou que se fixaram por cá, e querem fazer alguma coisa para mudar o rumo da cidade e do distrito. O diagnóstico é claro: «A situação é complicada em virtude da crise e dos problemas da interioridade», refere Tiago Gonçalves, que espera que os associados da Ideias.Guarda não se resignem a este estado de coisas. «Não podemos deixar o ónus aos políticos e às entidades públicas, também nós temos que dar contributos para o crescimento da região», acrescentou o presidente daquela associação apresentada formalmente na passada quinta-feira no auditório do IPJ.

Trata-se de uma organização sem fins lucrativos de jovens empreendedores nos domínios económico, social, cultural e até desportivo. «É importante criar mais oportunidades, mais emprego e empresas. Obviamente que não há uma varinha do condão que permita mudar o estado de coisas, mas penso que a nossa intervenção junto dos jovens para fomentar uma ideia de empreendedorismo poderá ajudar, pois só sendo empreendedores é que poderemos mudar o rumo dos acontecimentos e criar mais-valias para a cidade», sustentou o dirigente. Contando com cerca de 20 sócios fundadores, a Ideias-Guarda está agora aberta a mais inscrições, inclusive de empresas. E para divulgar a associação nos próximos meses vai ser feita uma recolha de livros para entregar a IPSS, um concurso de fotografia e tertúlias sobre o distrito. Na calha estão ainda passeios para detectar oportunidades de negócio, exposições com jovens artistas plásticos da região, a realização de uma bolsa de ideias empresariais e uma feira do empreendedorismo.

Tiago Gonçalves anuncia igualmente que a Ideias.Guarda será «uma plataforma de apoio a todas as iniciativas que sejam boas para a cidade». Nesse sentido, falando pelos seus pares, o presidente da direcção assume a ambição de «mudar a Guarda e o distrito», tarefa para a qual contam «com todos, sem excluir ninguém e sem espartilhos políticos». A associação não quer ser um lóbi, mas promete tentar influenciar os decisores para que «coisas boas» venham para a região, onde garantem haver oportunidades de negócio. Os entraves ao seu desenvolvimento por parte de jovens empreendedores são os do costume: o risco associado ao investimento e o financiamento. No entanto, o dirigente considera fundamental que se crie «um clima de competitividade e de crescimento» no distrito, pois «só assim se contribui para melhorar a região». Presente na sessão, Pedro Tavares, presidente do NERGA, saudou o surgimento da Ideias.Guarda, esperando colaboração e «não divisão, que é o grave problema desta cidade e distrito».

Por sua vez, Miguel Nascimento, delegado regional do Centro do IPJ, considerou ser «importante que o Estado não atrapalhe, mas é fundamental que a iniciativa privada avance sem cair na subsídio-dependência». A associação foi criada no final de 2009 e vai funcionar provisoriamente na sede da Federação Distrital das Associações Juvenis. Entre os seus membros destacam-se os professores, os engenheiros, os gestores e os arquitectos.


in O Interior, por Luis Martins

créditos imagem: Sofia Carvalho

Novos Povoadores patrocinam neutralização de CO2 com o evento TEDxOporto

Monday, Feb 22 2010 02:54 O projecto Novos Povoadores patrocinou a liquidação das emissões de carbono do evento TEDxOporto que se realizou no passado dia 20 de Fevereiro na Alfândega do Porto.

A entidade seleccionada para a neutralização das referidas emissões foi a ARDAL - Associação Regional de Desenvolvimento do Alto Lima.

Esta iniciativa enquadra-se na estratégia do projecto Novos Povoadores em envolver recursos naturais e patrimoniais dos territórios de baixa densidade em projectos de influência nacional.

A iniciativa contou com painel de oradores de excelência e as talks estarão em breve disponíveis em DVD.

Site oficial do evento em TEDxOporto

Beja, Bragança e Portalegre correm risco de desaparecer

Thursday, Feb 18 2010 11:52 Portugal "cada vez mais macrocéfalo" põe a maioria das cidades dependentes dos serviços públicos

Algumas capitais de distrito como Bragança, Portalegre ou Beja "estão perto de situações perigosas" num país cada vez mais macrocéfalo. Dependentes dos serviços do Estado, a sua pequena dimensão não lhes permite captar investimento privado. Portugal continua a ser Lisboa, o resto é paisagem. O centralismo "quase genético" ganhou novo alento com a União Europeia e globalização.

"É uma combinação explosiva", diz o geógrafo Álvaro Domingues. "Pequena escala misturado com pouca diversidade funcional", se falhar um sector, "pode ser o caos" em cidades como Bragança, Portalegre ou Beja. A grande dificuldade destas áreas urbanas é sobreviver sem a dependência do investimento público.

Uma universidade, por exemplo, reconhece o autarca de Bragança Jorge Nunes, seria contributo "muito importante" para a cidade. No entanto, não partilha da visão do geógrafo. "A cidade tem capacidade de se afirmar e tenta ganhar centralidade: 60% das exportações de Trás-os-Montes hoje são de Bragança."

O que define a centralidade, agora que se desfazem as fronteiras? "A presença do Governo e da administração pública", responde Álvaro Domingues. A globalização económica alterou a sede de decisão: tudo emigra para a capital - "e, se calhar, Lisboa dará lugar a Madrid". A sede da empresa EDP Renováveis, por exemplo, é em Oviedo, Espanha.

Responsável pela cadeira de Geografia, Território e Formas Urbanas, na Universidade do Porto, Álvaro Domingues lembra que Portugal sempre foi um "reino com cabeça que descentraliza pouco". Nunca nenhuma elite, "desde a Igreja à nobreza", teve poderes para inverter a regra.

"Superconcentrado" durante o Estado Novo, continua macrocéfalo. Não trava o despovoamento do interior: é um país "dependente" dos serviços públicos para sobreviver. "Vai a Coimbra, tira a universidade e os hospitais e ela afunda-se no meio do Mondego", diz Domingues - que define como "cidades do Estado" as capitais de distrito.

Para além de Aveiro e Braga, "com uma economia diversificada", existem apenas "cidades do Estado". Ou seja, sobrevivem graças aos serviços públicos, modernizados nas últimas décadas com os fundos que chegaram da União Europeia.

Mesmo assim, refere o docente da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, algumas capitais de distrito estão em situação muito difícil.

O presidente da Associação Nacional de Municípios subscreve as palavras do geógrafo. O País "é cada vez mais centralizado", e a tendência centralista "reforçou-se" com o Governo de José Sócrates. Fernando Ruas dá este exemplo: os presidentes das comissões de coordenação e desenvolvimento regionais (CCDR) "eram eleitos pelos autarcas da área correspondente, agora passaram as ser nomeados pelo Governo".

Foi também o Executivo socialista, refere Fernando Ruas, a retirar as câmaras municipais da participação no Instituto de Conservação da Natureza. Antes, os municípios tinham uma palavra na gestão das áreas protegidas.

in DN, Francisco Mangas

Parceria entre Fundação EDP e Novos Povoadores

Sunday, Feb 14 2010 02:27 O Grupo EDP, através da Fundação EDP, e o projecto Novos Povoadores assinaram um acordo de cooperação para o repovoamento dos territórios de baixa densidade populacional em Portugal. Em concreto, esta parceria visa atrair famílias empreendedoras para a área de influência dos novas barragens que a EDP vai construir (Baixo Sabor, Foz Tua, Fridão e Alvito), localizadas nos distritos de Braga, Bragança, Vila Real e Castelo Branco.

Este projecto faz parte de um conjunto de acções voluntárias de promoção de desenvolvimento local que a EDP está a implementar em paralelo com o seu plano de investimentos hidroeléctricos. O Grupo procura, assim, garantir que os benefícios trazidos ao país pelo maior aproveitamento dos seus recursos hídricos sejam partilhados pelas populações que vivem junto às novas barragens.

Para o projecto Novos Povoadores, esta parceria inscreve-se numa estratégia de intervenção participada, demonstrando a sinergia necessária entre os actores locais de desenvolvimento e instituições de âmbito nacional.

A mentalidade start up

Thursday, Feb 11 2010 09:51
“Quando participamos de uma empresa em fase de startup o mais comum é a falta de quase tudo. Não é incomum que acabemos executando atividades que não têm qualquer relação com o que fazemos normalmente, simplesmente porque algo precisa ser feito e ainda não há quem faça. Os fuzileiros norte-americanos têm uma atitude em sua tradição, definida por três palavras que resumem o espírito necessário para trabalharmos em uma startup: improvisar, adaptar-se e superar.

Quando você ainda não tem pessoal ou equipamento para executar uma atividade que precisa ser executada de imediato, é necessário improvisar. Quantas vezes me vi orientando pessoas da minha equipe a pegar um computador desktop e transformá-lo num servidor… Alguma coisa precisava ser testada ou um site precisava ser colocado no ar, mas o servidor novo para aquela função só iria chegar em duas semanas."

Leia o resto do artigo da autoria de Maurício Longo no site Startupi

Desafios ao desenvolvimento do interior

Friday, Feb 5 2010 10:09
Publicamos o link para um artigo que remete para a reflexão do equilibrio territorial.
Como se sabe, o projecto Novos Povoadores pretende ir mais além da reflexão, propondo um modelo para inverter a tendência de desequilíbrio territorial.
Todos os contributos são necessários para alargar a discussão. Não deixem de participar via facebook e twitter. Até já?!

Escape the City

Monday, Jan 25 2010 11:27
See Older Posts...