Investir em Portugal

o portal da ruralidade contemporânea

Novos Povoadores à conquista do Interior

Thursday, Dec 3 2009 09:33


"Sou a prova viva de que com Internet podemos trabalhar em qualquer lado"

Frederico Lucas tem 37 anos, três filhos e uma ambição: promover o êxodo urbano, trazer consumidores para os territórios de baixa densidade.
Com o projecto Novos Povoadores, de que é co-autor, quer também demonstrar que se pode ganhar dinheiro a partir de qualquer sítio. Ele está a tentar fazê-lo, a partir de Trancoso. E há muitas famílias interessadas em seguir-lhe os passos.
Por Luísa Pinto

Quando cheguei, estava deslumbrado. Vim para Trancoso em 2004, atrás da minha ex-mulher. Depois de termos vivido em Telheiras, mudámo-nos para Azeitão. Foi lá que nasceu o nosso terceiro filho, em 2002. Foi em Azeitão que fiquei quando nos separámos, com os dois mais velhos, de três e cinco anos, na altura. Eu trabalhava como consultor na área da comunicação. Demorava uma hora a chegar a Lisboa, e outro tanto a regressar, gastava dez euros por dia, já sem contar com combustível, que nem me lembro a quanto estava. Quando me mudei, os meus custos fixos passaram de 1750 euros por mês, entre casa e infantários e ATL dos filhos, para 390 euros.

Poder almoçar e jantar fora os dias que me apetecesse era uma coisa que havia saído há muito das minhas possibilidades.
Aqui, passaram-me a sobrar semanas. Deslumbrei-me. Também com a qualidade de vida. Uma pessoa pode entrar às nove e sair às cinco, ganhar três vezes mais do que paga de renda e infantários (que aqui são subsidiados por toda a gente, entre câmara, Misericórdia e Segurança Social). É uma tranquilidade. O único dia em que há trânsito, isto é, dois carros num semáforo, é à sexta-feira, em que há mercado semanal.

Lembro-me que nos primeiros dias, depois de chegar, deixavam-me um saquinho de legumes à porta. Fazem muito isso. Sabem que alguém chega, não tem terras cá, e lá nos põem à porta batatas, cenouras… é uma coisa muito agradável. Mas há o outro lado, o do controlo social. Dá-me um certo gozo dizer que se o meu filho sair da escola, e se eu perguntar a duas ou três pessoas, alguém saberá onde ele está. Mas isto também significa uma perda de privacidade e de anonimato a que estávamos habituados nas cidades, onde nem se sabe o nome do vizinho de baixo.
Uma vez cheguei de Lisboa, bati à porta da minha ex-mulher, e foi a do lado que se abriu, e foi a vizinha quem me disse: ‘Os seus filhos foram ao cinema.’ Temos de aprender a viver com isto. Eu não conhecia a senhora. Mas ela sabia que os meus filhos estavam no cinema. Aliás, aqui há dias, voltei ao cinema com eles em Lisboa. Foi um susto. Paguei 38 euros. Em Trancoso pagamos pouco mais de sete.

Foi aqui, em Trancoso, que conheci a Ana Linhares e o Alexandre Ferraz e que, a três, desenhámos o projecto dos Novos Povoadores. O Alexandre, que é do Pombal, tirou um curso de turismo, era recepcionista de um hotel, e veio para cá em 2002 porque foi aqui que encontrou um emprego qualificado.
A Ana é de Barcelos e veio atrás do Alexandre, e atrás de emprego.

Somos o Santo António
Foi aqui que nos cruzámos todos, e isto já é um sinal das dificuldades que pode haver na integração numa comunidade rural. Não é por acaso que três pessoas que são de fora é que se juntam. Porque há dificuldade. Se tivéssemos sido acolhidos de outra maneira, este projecto não teria sido concebido assim e até podia ter sido feito com pessoas de cá. projecto Novos Povoadores surgiu de uma conversa com o Alexandre. Começamos a partilhar as dificuldades do desenvolvimento nestes territórios. Se estes territórios têm qualidade de vida para oferecer, por que é que as pessoas não os habitam? Chegamos à questão simples: porque não têm emprego.
Mas, então, eu também não tenho emprego em Trancoso e é aqui que eu moro. Sou assim uma ave tão rara? Há mais pessoas que podem fazer isto.

Eu posso trabalhar a partir de qualquer lado – aliás, agora estou a pensar mudar-me para Marvão –, a única coisa que preciso é ter acesso à Internet. É a economia DNS (Domain Name Server). Com ela, as pessoas já podem vir para estes territórios de baixa densidade, que precisam desesperadamente de consumidores, mas que não têm empregos para oferecer. Com a economia DNS, já não é o território que gera o seu posto de trabalho. Os postos de trabalho ganharam independência geográfica, o meu contabilista pode estar em Vila Real, onde quiser, só tem de receber os meus papéis.
Eu vou contratar o contabilista que me for mais barato, e o que conseguir ser mais competitivo.
Eu fiz o mesmo. A minha tabela de honorários desceu 30 por cento, desde que me mudei para Trancoso, onde continuo a trabalhar como consultor de várias empresas. O trabalho para uma dessas empresas obriga-me a ir uma vez por semana a Lisboa.

Não sou formado em economia do desenvolvimento, nem em gestão territorial. Mas especializei-me a devorar estes temas, e a frequentar tudo o que é congressos e seminários. Acho que a economia acabou com os postos de trabalho, para haver cada vez mais empreendedores. Cada vez mais ganhamos em função das peças que fazemos e cada vez menos ganhamos um ordenado de uma empresa, mas sim de um projecto específico. Isso acontece comigo há já 17 anos. Foi o que sempre fiz.

Tirei um curso técnico de realização, que nunca utilizei, e sou a prova viva de que se pensarmos em algo com Internet podemos trabalhar em qualquer lado. E habitar estes territórios que nos dão qualidade de vida.
Sabemos que há pessoas que procuram estes sítios. Sabemos que há municípios que precisam de quadros qualificados, de consumidores. Nós somos o Santo António. Casamos território com pessoas. Estivemos três anos a discutir o projecto, a desenhá-lo. Não sabíamos como fazer deste modelo um negócio. Só o conseguimos em Dezembro de 2008, quatro meses antes de apresentar o projecto.

Ganhar dinheiro
Quem paga o nosso serviço são as câmaras, por cada cinco famílias que se mudam para o território, e que lá ficam pelo menos um ano.
Mas nós não cobramos um cêntimo às famílias, e não lhes pagamos, sequer, um café. As despesas e as poupanças serão todas por sua conta. Nós só as ajudamos a maturar este processo, esta ideia. Para que elas percebam que estes territórios têm muitas características boas, e outras menos boas.
Não andámos à procura de ninguém. As famílias que se querem mudar é que nos procuram no site [http://www.novospovoadores.pt].
E trabalhamos com municípios aderentes, com aqueles que têm verdadeiramente um projecto, um objectivo.

(...)

Nós não somos uma agência imobiliária, mas ajudamos a identificá-las nos territórios que as famílias querem ocupar. Não somos agência de emprego, mas ajudamos a criar empreendedores.
E não procuramos só projectos de turismo e de agricultura biológica.
Os territórios de baixa densidade são sistematicamente vistos como oportunidades sempre coladas ao turismo. O que sabemos é que o turismo cresce e representa normalmente à volta de 20 por cento da actividade económica do país. E não cresce mais porque as pessoas procuram territórios autênticos, não vão para os sítios onde está tudo feito para o turista.
Trancoso tem 16 mil turistas por ano. Se duplicarmos o número de turistas, para 32 mil, e não há exemplos destes, ganhamos três dias de autonomia anual de orçamento municipal. Temos de multiplicar por cem o turismo para deixarmos de depender do orçamento [público]. Não é por aí que vamos conseguir a independência que se está a pedir aos territórios.

Eu acho que o interior sofre de excesso de dinheiro. Os recursos humanos desses territórios são indiscriminadamente integrados nos municípios, e, por falta de trabalho, são “anestesiados” para nada produzirem. São recursos com os quais o território deixa de poder contar para qualquer estratégia para a sua competitividade. E os outros, os empreendedores locais, são contratados pelos municípios ao preço que lhes é confortável para manterem o seu quadro de pessoal.
Deste modo não lhes resta qualquer motivação para competirem, ainda menos no mercado global. Receio que em muitos casos esta falta de visão estratégica não seja obra do acaso. E nesses locais não haverá projecto Novos Povoadores, com toda a certeza.

in Público, Luísa Pinto

O Plano Tecnológico e as Novas Oportunidades para o Sector por @rgrilo

Tuesday, Dec 1 2009 04:48

População portuguesa estagnada, interior cada vez mais despovoado

Friday, Nov 27 2009 09:27 No ano passado a população portuguesa praticamente estagnou, com um crescimento de 0,09%. Os dados do Instituto Nacional de Estatística divulgados nos Anuários Estatísticos Regionais mostram que essa evolução foi muito desigual e foi raro o concelho do interior que não perdeu população.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) conta 195 municípios que perderam população no último ano. Quase todos estes casos ficam no interior do país. Na grande maioria, a perda de pessoas deve-se a resultados negativos na taxa de crescimento natural, ou seja, mais mortes do que nascimentos.

Ao contrário do interior, a maioria dos municípios do litoral viram a população aumentar em 2008 - o litoral alentejano é uma excepção. Pampilhosa da Serra, Gavião e Almeida, são, no Continente, os concelhos que mais pessoas perderam no ano passado. Na lista de concelhos com descidas na população destaca-se, claramente, o interior do país.

No Litoral, Lisboa e Porto são, no entanto, algumas das excepções. A capital terá tido uma descida de 2,05% na população. Com menos 2,61%, o Porto é o sexto concelho do país onde se perderam mais habitantes. Sesimbra, Alcochete e Mafra (na Área Metropolitana de Lisboa) registaram os maiores crescimentos populacionais (acima de 3%). Esses aumentos devem-se sobretudo à taxa de crescimento migratória.

As migrações internas e externas foram aliás as principais responsáveis pelos crescimentos populacionais registados, segundo o INE, em 113 municípios.

A TSF contactou o presidente da câmara que, segundo o INE, mais perdeu população em 2008. O autarca de Pampilhosa da Serra não acredita nos números do INE e contrapõe com a evolução positiva dos eleitores registados.

José Brito diz que foi possível arranjar emprego e fixar a maioria dos jovens no concelho. A existir desertificação no interior do país, ela deve-se, de acordo com o presidente de câmara, à falta de investimento dos sucessivos governos, por exemplo, naquela parte da região Centro.

Contactado pela TSF, o Instituto Nacional de Estatística explica que o cálculo da evolução da população é feito com base no saldo natural (nados vivos menos óbitos) e no saldo migratório estimado (calculado com base em inúmeras fontes).

Os valores são provisórios e podem ser corrigidos no próximo recenseamento, mas o INE explica que o «recurso a estas fontes permite quantificar, de forma precisa, o saldo natural (devido à obrigatoriedade do registo dos nados vivos e óbitos), e analisar tendências que permitem estimar os saldos migratórios anuais».

Taxa de crescimento efectivo da população 2008
Os concelhos que mais pessoas perderam
Pampilhosa da Serra - 3,06%
Gavião - 2,82%
Almeida - 2,78% Os concelhos que mais pessoas ganharam
Sesimbra + 4,16%
Alcochete + 3,80
Mafra + 3,09


in tsf.pt, Nuno Guedes

Sustentabilidade na primeira pessoa

Friday, Nov 13 2009 05:24 Com a realização da Conferencia Climática de Copenhaga, de 7 a 18 de Dezembro a questão da sustentabilidade ambiental está muito presente nos discursos em geral. (...)

Porque continuamos a insistir no aumento da produção (mesmo que "verde") em vez de reduzirmos o consumo? Não começará a real sustentabilidade neste último?

Não será a sustentabilidade mais rapidamente alcançada se actuarmos nas nossas práticas de consumo tanto quanto investimos em “produtos verdes”ou “energias limpas”? read more

Sustentabilidade na primeira pessoa

Friday, Nov 13 2009 05:13

Com a realização da Conferencia Climática de Copenhaga, de 7 a 18 de Dezembro a questão da sustentabilidade ambiental está muito presente nos discursos em geral.

É certo que problemas de dimensão global – como as alterações climáticas ou a falta de água – necessitam de um compromisso prático global e por isso, necessariamente, do empenho dos agentes e lideres políticos e económicos mundiais.

Mas exige igualmente uma acção e pressão quotidianas de cada um – individualmente ou em grupo.

Desde a escolha dos produtos, à redução do desperdício, passando pela racionalização do consumo, tudo isso pode ter um impacto tão significativo na diminuição da pegada ecológica humana quanto eventuais politicas exercidas de cima.

Lado a lado devem seguir medidas que solucionem problemas que já enfrentamos e o reconsiderar das nossas práticas de consumo.

São muitos os produtos produzidos e adquiridos que vão para o lixo sem muitas vezes terem sequer exercido a acção para que foram criados. Exigimos à terra recursos para os produzir e depois esperamos o seu desaparecimento, dispensando os seus efeitos incómodos (lixeiras, poluição atmosférica e da água, ...)

Porque continuamos a insistir no aumento da produção (mesmo que "verde") em vez de reduzirmos o consumo? Não começará a real sustentabilidade neste último?

Não será a sustentabilidade mais rapidamente alcançada se actuarmos nas nossas práticas de consumo tanto quanto investimos em “produtos verdes”ou “energias limpas”?

Algumas propostas de práticas...

Adquirir apenas os produtos que realmente necessitamos

Consumir produtos de proximidade local – evita gastos inerentes ao transporte

Consumir cada produto até à última gota – cremes, detergentes, shampoo, comida, ...

Adquirir apenas a comida que consumimos

Evitar ter vários aparelhos que se sobrepõem ligados ao mesmo tempo – televisão, computador, aparelhagem

Optar por equipamentos eléctricos eficientes

Prolongar o tempo de utilização de roupas, equipamentos, móveis

Não deixar os equipamentos em stand by

Utilizar lâmpadas economizadoras

Retirar os carregadores das fichas depois de carregados os equipamentos

Desligar luzes e equipamentos nas divisões que não estão a ser utilizadas

Tomar duche em vez de banho de imersão

Utilizar redutores de caudal de água

Usar a carga máxima nas máquinas de lavar loiça e roupa

Aproveitar a água do duche enquanto se espera que fique quente

Utilizar a água de lavar os legumes para regar plantas

Regular o aquecimento para 20ºc e desligar em períodos de ausência e durante a noite

Adquirir os produtos com menos embalagens

...

Para os curiosos: http://sustentabilidade.usabilidade.org/

Aprender a Empreender!

Thursday, Nov 5 2009 08:50

Empreendedorismo social

Saturday, Oct 24 2009 05:41 A pesquisa de informação é uma constante e no decurso da nossa investigação encontrámos um site cuja consulta sugerimos aqui.

Background on Social Entrepreneurship | The Skoll Foundation

Microtendências

Sunday, Oct 18 2009 09:27 "Uma microtendência é um forte grupo de identidade, que está a crescer, tem necessidades e quereres não satisfeitos pela actual colheita de empresas, marketers, legisladores e outras figuras que influenciam o comportamento da sociedade."

in Microtendências, Mark J. Penn, Ed Lua de Papel

O desígnio de concretizar boas ideias

Sunday, Oct 4 2009 01:16

“Muitos, hoje, investem biliões em nova ciência e tecnologia. O que precisamos agora é o equivalente a isso para a mudança social: cidades e vilas experimentais, zonas e laboratórios para novas formas de vida, que permitam compreender, na prática, como cidades diversas podem coexistir, como uma população envelhecida pode navegar nos desafios de vidas mais longas ou como sociedades saudáveis podem reduzir a sua pegada ecológica. Dediquemos 1% dos gastos públicos a essa tarefa simples de descrever mas difícil de concretizar e, em breve, veremos um retorno muito maior do que o do 1% que já dedicamos à inovação em ciência e tecnologia.”

Geoff Mulgan, Presidente da Young Foundation, in O peixe Amarelo de João Meneses, Julho 2009

Rede Social de Empreendedores

Friday, Sep 25 2009 05:12 Esta semana foi marcada por um nr que perturbou a maioria dos portugueses: 500.000 desempregados.

Esta crise está apenas a corrigir erros da economia real: A fechar industrias que perderam competitividade e não encontraram vias para a sua redinamização; Empresas que sobreviviam de forma deficiente e que estas marés vivas precipitaram a sua demolição.

As empresas “morrem” mas as pessoas não. E essas pessoas saem destes processos com uma renovada visão daquilo que pode ser o seu projecto profissional.

Mas o inicio de uma actividade de empreendedor pode ser para muitos uma enorme incógnita. Porque entendem que qualquer negócio implica elevadas injecções de capital ou por desconhecerem os seus potenciais mercados.

Para abreviar esses receios e ajudar esses desempregados a reconstruirem o seu projecto propôe-se a criação de uma Rede Social de Empreendedores onde empreendedores, business angels, associações empresariais e demais actores se reunem para dinamizar esses novos projectos.

Achar que esta é uma boa ideia e nada fazer para a alicerçar não é o apoio que estes desempregados precisam! :-)
See Older Posts...